Ciência, Viva!

Ambiente, Arquelogia, Astrologia, Astronomia e outras Áreas Científicas

CIÊNCIA

Viaje até ao mundo da época imperial dos romanos sem sair de Portugal!

Viaje até ao mundo da época imperial dos romanos sem sair de Portugal!
4.7 (94.74%) 19 votes

Élio Aristides (129 – 189), professor grego na corte imperial romana, falava assim da grande civilização romana: “O mundo inteiro está em festa”.

Estes discursos referiam-se à ocupação realizada pelos romanos, numa extensão territorial que abarcava províncias que iam desde a Hispânia (Espanha e Portugal) até à Judeia (atual Israel/Síria).

Munidos de um poderoso exército, que crescia a par das conquistas, os romanos hasteavam com orgulho as insígnias imperiais e espalhavam aos quatros ventos: “Roma victor“.

A grandiosidade, beleza e poder que emanavam de Roma deixavam extasiados romanos e hordes bárbaras aqui e além-fronteiras. Por todas as províncias, o mito crescia e tornava-se realidade.

Com o exército, “todos os caminhos vão dar a Roma”

Para a construção de tão vasto Império e da integração dos povos conquistados, muito contribuiu a ação dos legionários romanos.

Para além dos generais, centuriões e outros oficiais romanos, integrava o grande exército romano um número considerável de escravos, pelo que esta grande força terrena podia ir até aos 8.000 elementos.

Munidos de apuradas armaduras e uma panóplia de armas de defesa e ofensivas, entre gadios, catapultas, elmos e escudos, os legionários deixavam a marca da romanização um pouco por todo o império.

Tal movimentação de legiões só foi possível graças às técnicas utilizadas na construção de uma aperfeiçoada rede de estradas, que partiam de Roma para todos os cantos do Império.

Ponte de Trajano sobre o Rio Tâmega - romanos

Ponte de Trajano sobre o Rio Tâmega (Chaves)

A romanização em Portugal

De Norte a Sul de Portugal, são inúmeros e quase infindáveis as rotas que nos levam aos vestígios deixados pelos romanos que enriquecem a arqueologia portuguesa.

Para além das colónias em Beja e Santarém, dos municípios de Lisboa e Évora, o território lusitano está marejado de heranças romanas, com especial relevo a sul do Tejo:

Braga: Fonte do ídolo e as Termas de Maximino;

Chaves: Ponte de Trajano e colunas;

Vila Real: Fragas de Panóias; cemitério lusitano da Quinta da Relva; Três Minas e estrada romana de Murça;

Viseu: Termas de S. Pedro do Sul; estradas de Almargem e Ranhados;

Guarda: Estradas romanas (Galhardos) ; ponte de Longroiva;

Conímbriga: complexo de casas pavimentadas com mosaico, fórum, termas, muralhas e basílicas (ruínas);

Idanha-a-Velha: Estação arqueológica;

Santarém: Balneário de Mação e ponte de Alferrarede;

Região de Portalegre: Villas da Torres de Palma e Granja; ponte de Vila Formosa e cidade romana de Ammaia;

Torres Novas: Villa Cardílio;

Lisboa: Teatro Romano;

Região de Évora: Templo (supostamente de Diana); muralhas e arco de D. Isabel; villa de Sta. Vitória do Ameixial e ruínas de S. João do Campo;

Setúbal: Ruínas de Tróia e da ilha do Pessegueiro; Herdade do Pinheiro (fornos de ânforas); estação arqueológica de Miróbriga;

Grândola: Cerrado do Castelo (termas e sepultura);

Beja: Vila de Frades (Ruínas de S. Cucufate); Villa de Pisões;

Algarve: faro (Villa de Estói/Milreu; Vilamoura (ruínas); Vila do Bispo; Senhora da Luz, Lagos, Portimão, Armação de Pêra e Castro Marim.

Quando pensar em visitar Portugal, aproveite a passagem pelas ruínas romanas e não deixe de desfrutar igualmente da excelente hotelaria e restauração.

Faça de Portugal, um local de peregrinação e viaje até ao fantástico mundo dos romanos!

Boas visitas!

Fonte da imagem

LEAVE A RESPONSE

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

"Cidadã do mundo" Empreendo um gosto especial pelas Ciências Sociais e Humanas (Licenciatura, Pós-graduação, Mestrado). Sou extremamente comunicativa e interessada pelo mundo, em geral. Uma pessoa capaz de amar o mais simples e também o mais complexo. A Escrita, o Teatro, a Música e a História fazem parte de mim, são como água para viver e ar puro para respirar. Assumo uma vontade férrea de chegar sempre mais além, de saber sempre mais um pouco, de partilhar e aprender todos os dias, de viver com vontade.